SVicente's Blog

Follow me and you'll know what I like to do

Treino noturno de 27k – Centro/S.Judas/Paulista

Primeiro treino mais intenso após o tratamento de saúde no 1o. semestre. 27,2 km saindo do Centro, pela Av. Liberdade e indo até a igreja de S.Judas Tadeu, retornando pela Av. Jabaquara e seguindo pela Paulista, quando desci novamente para o Centro pela rua da Consolação.

A maior parte do tempo pelas ciclofaixas e num ritmo médio. Fiz com a Dahon. Teve subidas, descidas, trechos planos. Bem variado. Desempenho razoável para voltar a um pedal mais esportivo. Em aproximadamente 1h 40m.

Traçado feito no Bikely.com - 27,2 km

Traçado feito no Bikely.com – 27,2 km

A meta é realizar o próximo em torno dos 35 km.

December 2, 2016 Posted by | Bike | , , | Leave a comment

Mapa ciclístico – S.Paulo (CET)

http://cetsp1.cetsp.com.br/mapabasico/map.aspx?map=infraciclo

CET Infraestrutura Cicloviária

CET Infraestrutura Cicloviária

November 30, 2016 Posted by | Bike, Life in general | , , , , | Leave a comment

Viagem à Curitiba – Nov/2016

Último feriadão do ano – 12 a 14/nov/16.
Três dias de religiosidade, história, gastronomia e artesanato. Conhecendo mais um pouco do Turismo desta que, pra mim, é uma das capitais mais agradáveis do Brasil de ser visitada. Eu curto Curitiba!

1o. Dia (12) – visita ao Mercado Municipal (que achei mais bem tratado que o de S.Paulo), passeio nas lojas, destaque para a parte de Orgânicos, o restaurante Ohana (gastronomia orgânica). À tarde, hora de louvor ao Santíssimo no Santuário de Nossa Senhora de Guadalupe – hora de agradecer minha Cura, tudo que o Divino fez e vem fazendo na minha vida.

Clique para ver as fotos via Google (“Picasa”).

2o. Dia (13) – visita ao Centro da Cidade, em especial o prédio histórico do Paço Municipal, a Catedral, a extensa e variada feira de artesanato e o Museu Paranaense. Muita história e diversão atrativa. À tarde, mais uma vez passeando no Parque Barigui – local sempre atrativo para relaxar e contemplar.

Paço Municipal e Catedral - veja Google photos.

Paço Municipal e Catedral – veja Google photos.

Museu Paranaense - veja Google Photos

Museu Paranaense – veja Google Photos

Parque Barigui – veja Google photos.

 

3o. Dia (14) – passeio turístico de trem pela Serra do Mar. Antiga ferrovia Curitiba-Paranaguá, agora somente até Morretes, explorada pela “Serra Verde Express”, por 3 horas e meia, numa descida cheio de encantos escondidos – pontes, viadutos, cascatas, muita Mata Atlântica preservada. À tarde, conhecendo a gastronomia do local (o “famoso Barreado”, um prato de caldo de carne). Eu não provei, mas a minha esposa, sim. (Gostou mais ou menos…).

Trem turístico – antiga Curitiba-Paranaguá. Veja Google photos.

Morretes - rio Nhundiaquara - veja Google photos.

Morretes – rio Nhundiaquara – veja Google photos.

Depois, passeamos na feirinha, à beira do rio Nhundiaquara, visitamos e rezamos na Matriz (N.Sra. do Porto), experimentamos o sorvete de gengibre, a bala de banana e conversamos com os locais. A volta, feita de ônibus, da Viação Graciosa, pela BR-277. Estava nublado, como em todos os 3 dias, uma chuvinha fina, mas tudo VALEU MUITO À PENA! Um pedaço do Brasil a mais para ser conhecido, saboreado e vivenciado.

November 14, 2016 Posted by | Life in general | , , , , , , , , , , | Leave a comment

Mundo Corporativo: Simone Bambini propõe uma relação mais saudável entre empresas e funcionários

    A forma como as empresas costumam se relacionar com seus funcionários tem causado transtornos e distorções de comportamento. Hoje, os profissionais não se satisfazem mais com o salári…

Source: Mundo Corporativo: Simone Bambini propõe uma relação mais saudável entre empresas e funcionários

November 5, 2016 Posted by | Life in general, Management | Leave a comment

Brasil = País das Tragédias

(Aqui posso me expressar melhor que dentro dos 140 chars do Twitter, rs…rs…)

Rompimento da Barragem da Samarco, em Bento Rodrigues , Mariana (MG), 2015, deixou 19 mortos e ninguém punido - faz 1 ano.

Rompimento da Barragem da Samarco, em Bento Rodrigues , Mariana (MG), 2015, deixou 19 mortos e ninguém punido – faz 1 ano.

Eu acho curioso, revoltante, tragicômico, contraditório, e mais um monte de outros sentimentos intrigantes, nós (a imprensa, o governo, as organizações sociais de um modo geral) estarmos comentando, debatendo nesta semana o caso da tragédia do rompimento da barragem da Samarco em Bento Rodrigues, Mariana, MG, enquanto sequer conseguimos resolver outras tragédias igualmente significativas, dado que um volume grande de vidas foram ceifadas, famílias inteiras arrasadas.

Foi com o Bateau Mouche que eu vivi na década de 80, naquele Natal em que 55 seres humanos se perderam numa noite de reveillón, quando celebravam a vida! E ninguém foi preso, ninguém pagou por aquilo até hoje! Inúmeras folhas de processo judicial escritas para NADA!

Na década de 90, tivemos o *famoso* Massacre do Carandiru – 111 mortos. Ninguém punido de verdade, nada apurado. Um filme retratou a barbárie que repercutiu mundialmente, mas aqui no Brasil mesmo, NADA se responsabilizou.

Ainda no final da década de 90, tivemos o Massacre de Eldorado dos Carajás, no Pará. Nem se sabe exatamente quantos morreram naquela disputa facínora e idiota, mas pelo menos 10 manifestantes se foram. O governo (na época, o FHC) falou que ia apurar e… NADA!

Já no século XXI, tivemos dois acontecimentos que eu achei muito marcantes: a tragédia da Região Serrana do RJ em 2011. A lista oficial apontou 918 mortes (!!!), mas a dimensão certamente foi muito maior; algumas fontes chegam a citar números 5, até 10 vezes maior.

Na Região Serrana do estado do Rio de Janeiro, em 2009, violentos deslizamentos de terra causados por uma chuva torrencial causaram a morte de 918 pessoas, principalmente nas cidades de Nova Friburgo, Teresópolis e Petrópolis.

Na Região Serrana do estado do Rio de Janeiro, em 2011, violentos deslizamentos de terra causados por uma chuva torrencial causaram a morte de 918 pessoas, principalmente nas cidades de Nova Friburgo, Teresópolis e Petrópolis.

Alguém foi responsabilizado? A ajuda chegou a quem deveria? Os prefeitos que declaradamente usurparas as verbas públicas de socorro às vítimas do desastre foram punidos. Outra vez… NADA!

E há mais de 3 anos, em 2013, tivemos o incêndio na Boate Kiss em Santa Maria (RS). 242 mortes confirmadas, cerca de 680 vitimados que sobreviram aquele inferno de fogo e fumaça tóxica. Lutou-se, lutou-se e ainda se luta pela punição de algum culpado. Mas será que há algum? Teria sido obra simplesmente de Satã. Não… aqui nos consagramos como o País das Tragédias. Imagina se “deus não fosse brasileiro”, como seríamos? Provavelmente, terra nua e inóspita como os desertos marcianos.

(E eu fiz questão de grafar “deus” em minúsculas, porque não é nesse “deus” que eu creio. Ele não pode ser responsabilizado pelas nossas mazelas terrenas.)

Mariana irá se juntar a essas que citei acima, como a tantas outras que a (pouca) memória brasileira faz questão de esconder na sua triste história:

– o incêndio do Gran Circus Americano, em Niterói (RJ), 1960;

– o incêndio do Joelma, São Paulo (SP), 1974;

– o desastre do AirBus da TAM, São Paulo, (SP), 2007;

– rompimento da barragem de Algodões (PI), 2009;

  [esta inclusive muito pouco comentada aqui no Centro-Sul do país, pois ocorreu numa região desprovida de qualquer assistência política, social e econômica. Contudo, MATOU nove pessoas e as causas nunca foram bem apuradas!]

– o deslizamento do Morro do Bumba, Niterói (RJ), 2010.

Pagamos muito ao nosso sistema judiciário, mas esse não reverte os tributos à nossa sociedade como ela merece. As razões… eu deixo aos teóricos e estudiosos do assunto para me apresentarem.

November 5, 2016 Posted by | Life in general, Uncategorized | , , , , , , , | Leave a comment

Bike – o retorno!

Após as cirurgias, finalmente o retorno às pedaladas… claro, com muita calma nessa hora!

Dia 15-outubro > ida até à Santa Ifigenia, bem “no sapatinho”

Sem quilometragem definida

Sem quilometragem definida

Dia 16-outubro > domingo, ida ao Encontro Vegano, na Vila Mariana (também não medi a km, mas foi perto)
Dia 21-outubro > o primeiro rolê de verdade (num ritmo de pedal, mas sem maior esforço: 40 min):

role_se_bras_mooca_cambuci

October 21, 2016 Posted by | Bike, Life in general, Uncategorized | , | Leave a comment

Herod – SESC Pompéia – volta aos shows em Sampa

Nada melhor que retornar aos palcos do SESC com um showzaço de rock progressivo, som **pesado** desse grupo HEROD. 13-out-16.

Herod toca Kraftwerk - SESC Pompéia (13-out-2016)

Herod toca Kraftwerk – SESC Pompéia (13-out-2016)

Tocando KRAFTWERK, melhor ainda. Quem da nossa geração não curtiu aquelas viagens loucas do Kraut Rock alemão nos anos 70.?Ra-dio-acti-vi-ty….

Então, vamos aos pequenos trechos de vídeo que eu fiz lá no palco da Choperia.
(foram curtinhos, explico, pq não tive “saco” de ficar gravando tudo… não aguentei e preferi curtir o som)

 

 

 

 

 

 

 

October 15, 2016 Posted by | Music | , , , , | Leave a comment

Bicigrinação ao Cristo de Porto das Caixas

Peregrinação de bicicleta ao Santuário do Cristo Crucificado de Porto das Caixas, distrito de Itaboraí, RJ. Total de 83km.

Feita com uma bike “fixa” adaptada (minha ex-MTB Caloi Supra, velha de guerra). Levei 2:20 pra ir, 2:22 pra voltar. Fui de manhã cedo (voltei depois de meio-dia e da missa das 11h).

Descrição nas fotos no meu Picasa.

Santuário do Cristo Crucificado, em Porto das Caixas. Em 1968, nele ocorreu o fenômeno do sangramento da imagem de N.Senhor Jesus Cristo.

 

.

 

March 30, 2016 Posted by | Bike | , , | Leave a comment

Manjaro Linux – bem leve; para hardwares mais velhinhos

Mais leve que qualquer Windows que vc pensar e está atualizado, tem suporte a muitos drivers e é apoiado inclusive por uma comunidade aqui no BR. Eu passei um certo tempo analisando, decidindo por uma nova distro que pudesse fazer **reavivar** meu note antigão, mas que ainda funciona 100%, porque cuidei bem dele, essses 7 anos.

Acer Aspire 3200LCI com Manjaro Linux 15.12 xfce

Acer Aspire 3200LCI com Manjaro Linux 15.12 xfce

Para apimentar o ‘post’ vou colar o que escrevi numa outra discussão que comentava sobre a distro Linux LXLE – uma outra que andei pesquisando e ainda testei instalar, porém sem sucesso.

—-

Aí vai. Eu comentei esse post:

LXLE 14.04 – Precisa de um sistema mais leve que o Windows 8?  (no pplware.sapo.pt)

Achei interessante esta discussão toda, pessoALL, e vou por o meu bedelho nela, com todo o respeito. Primeiramente quero dizer que não sou “marinheiro de primeira viagem” uso Linux já faz muito tempo, desde os saudosos pioneiros Kurumin, Caldera, Conectiva e outros dinossauros. Já instalei de tudo. Em máquinas velhas, novas, para todos os sabores e gostos. Também de Windows eu fui (ou tive que ir muitas vezes…) por conta da empresa onde trabalho agora, onde simplesmente “baniram” a possibilidade de utilizarmos software livre. Só ainda não experimente o tal Windows 10 (e nem faço questão… mas uma hora ele chega).

Li ai que falaram que o Windows 8 não é pesado… acho q só pode estar de brincadeira o cara que fala um “troço” destes. Ou não conhece nada de SO. O Windows 7 já é pesado. Nas máquinas do trabalho, algumas com 5 anos de uso, ele se arrasta com 4 GB de RAM e, claro, um monte de penduricalhos de proteção de rede corporativa que enviam obrigatoriamente.

Imagina quando fui cair na asneira de tentar por ele (Windows original) no meu velho note ACER Aspire 3002 LCI de 1GB, AMD Sempron 2800+?! Começou até bem, mas depois que foi só instalando update em cima de update, pesou e não levantou mais. Pesquisando por distros lightweight cheguei à LXLE para 32-bit. Mas vou ser franco – ela não instalou. Deu um monte de erros de reconhecimento do hardware, além de ser lenta pra caramba para iniciar o setup. Mas ainda não desisti de tenta-la. Tenho um outro hardware antigo, melhor para testar. Uma máquina que foi top faz 5 anos e está com 8 GB de boa memória. Atualmente ela está com o Mint 17 (GNome), mas que vem apresentando algumas falhas (não comprometedoras). Estive com o Linux Mint por cerca de 3 anos nela (depois do Ubuntu Server), desde a versão 14 (antes era XFCE). Rodou bem esse tempo todo, fiz excelentes trabalhos com ela. Mas vamos mudar para ver no que dá.

Quanto ao meu velho note Acer o que acabou resolvendo MUITO BEM (já estou há uma semana com ele) foi a versão do Manjaro 15.12 XFCE 32-bit. Demorou um pouquinho pra instalar, mas depois que decolou tem rodado muito satisfatoriamente para um hardware (pra lá de) antigo. Estou teclando nela. O Firefox roda bem as páginas, flash pré-instalado, som, câmera, wifi, tudo muito fácil. E zero de linha de comando (pelo menos até agora). Tenho compensado a ausência de processador com ferramentas cloud e assim consigo executar trabalhos que antes só vinham sendo possíveis em outra cpu super-atualizadissima (4.1 GHz).

Posso dizer que recomendo BEM a experiência com o Manjaro que possui outras versões (64-bit, KDE…) e comunidade em português para tirar dúvidas (pra quem tiver dificuldade com o English). Depois que tirar a dúvida com o LXLE, talvez volte a postar pra dizer o que rolou. Abraços.

February 10, 2016 Posted by | Life in general, Linux | | 1 Comment

De Dahon até o Santuário de N.Sra.Aparecida

Dia 30/janeiro/2016, sábado, fiz um pedal diferente e muito importante para mim – fui de S.José dos Campos até o Santuário da Padroeira do Brasil – Nossa Senhora Aparecida. Não só paguei mais uma promessa como fui até lá pedir novas Graças ao Nosso Bom Senhor pelas que ainda preciso. Para mim, toda a família e meus amigos.

Foi uma viagem diferenciada, porque fui de Dahon, a dobrável, Roo D7, que cumpriu bem o seu papel nos 90km que separam a Rodoviária de SJC do Santuário (Bikely.com – traçado SJCampos/Aparecida).

Saí às 13:10 e cheguei às 19:10 na frente da Basílica, num sábado de muito sol, calor. Teve um pouco de vento contra no inicio, mas depois foi tranquilo. Só beber bastante água, comer muitas bananas e pedalar firme. Fui pela Estrada Velha Rio-SP, SP-062, passando por dentro das cidades (na ordem) de: Caçapava, Taubaté e Guaratinguetá. O trânsito não estava ‘pesado’ (caminhões) e alguns certos trechos havia ciclovia ou o acostamento era largo. Nada de sobressaltos.

Na chegada me emocionei por mais esta vez (a quarta) em que visitei aquele lugar Santo. Vejam as fotos no meu Picasa.

Foi o 4o. pedal até Aparecida e teve um gostinho especial por ter sido o meu primeiro feito na dobrável Dahon. Muita emoção na chegada.

 

February 1, 2016 Posted by | Bike | , , , , | Leave a comment